AIDS: Mais mulheres que homens infectados pelo HIV



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Mais da metade das pessoas infectadas pelo HIV são mulheres

Em todo o mundo, mais mulheres do que homens estão infectadas pelo HIV. Os cientistas estão pedindo por pesquisas específicas sobre gênero contra a Aids. Mais da metade de todas as pessoas infectadas pelo HIV são mulheres: cerca de 22,5 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem do transtorno de imunodeficiência AIDS. Mais da metade das pessoas afetadas são mulheres e meninas. É por isso que é importante intensificar a pesquisa de HIV “específica para mulheres”, como porta-voz da rede de competência alemã HIV / AIDS exigida na ocasião do próximo Dia Mundial da Aids.

1 de dezembro de 2010 é o Dia Mundial da Aids. Atualmente, quase 23 milhões de pessoas estão infectadas com o vírus HI em todo o mundo. Mais da metade de todos os doentes e infectados são meninas e mulheres. Nesse contexto, Norbert Brockmeyer instou a rede de competências de HIV / AIDS em Bochum na segunda-feira a buscar urgentemente "uma pesquisa intensificada sobre o HIV específica para mulheres". As mulheres são muito mais propensas a contrair o vírus anteriormente incurável do que os homens. Segundo a rede científica de competências, o risco de infecção é muito maior em todo o mundo do que nos homens por razões sociais e anatômicas.

No entanto, existem diferenças claras na distribuição de infecções por gênero em uma comparação global. Na Alemanha e nos outros países industrializados ocidentais, os homens são infectados principalmente pelo vírus causador da Aids. Segundo as pesquisas mais recentes, 80% das pessoas afetadas são homens. Na África subsaariana, as mulheres têm oito vezes mais chances de serem infectadas do que os homens.

A rede de competências alemã está atualmente lidando especificamente com pacientes grávidas infectadas pelo HIV. Um aspecto essencial do trabalho de pesquisa é se o tratamento médico do HIV pode ser otimizado com base em gênero. Algumas pesquisas sugerem que pode haver diferenças nos efeitos terapêuticos entre homens e mulheres. A Rede de Competências em HIV / AIDS (KompNet HIV / AIDS) é uma das 18 redes de competências médicas financiadas pelo Ministério Federal de Educação e Pesquisa.

Segundo informações atuais do Instituto Robert Koch (RKI), cerca de 70.000 pessoas na Alemanha vivem com o vírus HI ou com a doença da imunodeficiência AIDS. Em 2010, cerca de 3.000 pessoas foram infectadas com o vírus mortal. A nova taxa de infecção está estagnada, pois os números permaneceram idênticos aos dos anos anteriores.

Enquanto isso, a Deutsche Aids-Hilfe alertou para novas medidas de austeridade nos serviços de aconselhamento para as pessoas afetadas. Nos estados federais da Turíngia, Saxônia e Renânia do Norte-Vestfália, há indicações de que os governos estaduais desejam fornecer menos recursos financeiros. Esses cortes podem significar que numerosos centros de aconselhamento teriam que fechar. Um porta-voz disse: "Se os benefícios atuais forem reduzidos ainda mais, o aconselhamento sobre a Aids em alguns distritos provavelmente não será mais possível no futuro". Essas reduções podem reduzir significativamente os sucessos anteriores na luta contra a Aids. (sb, 29 de novembro de 2010)

Leia também:
AIDS: diz-se que a droga protege contra a infecção pelo HIV
70.000 pessoas na Alemanha sofrem de AIDS
Precursores do vírus da Aids dezenas de milhares de anos
AIDS: o vírus da SI é considerado precursor do HIV
Por que alguns não têm AIDS apesar do HIV
Dia Mundial da Aids: é necessária mais solidariedade
AIDS: nenhum destino com anticorpos corretos?

Crédito da foto: Baumgeist / pixelio.de

Informação do autor e fonte



Vídeo: O início da epidemia do HIV no Brasil


Artigo Anterior

Camundongos cegos imunes ao câncer por morte celular coletiva

Próximo Artigo

Empresa dos EUA garante patente para "bebês de grife"