Tatus como portadores da hanseníase



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Os tatus formam um reservatório para patógenos da hanseníase

Os tatus são aparentemente responsáveis ​​pelo fato de que a hanseníase ainda hoje ocorre nos EUA. Os últimos sobreviventes da família de mamíferos das chamadas articulações articuladas blindadas (Cingulata) carregam bactérias que podem causar hanseníase em humanos. Os pesquisadores relatam isso na edição online do “New England Journal of Medicine”.

Ao examinar os tatus, os pesquisadores descobriram uma cepa especial do patógeno Mycobacterium leprae, encontrada tanto nos animais quanto nos pacientes com hanseníase que também foram examinados. Essas bactérias permitem que os tatus transmitam hanseníase e são responsáveis ​​pelo fato de que a hanseníase ainda ocorre hoje nos Estados Unidos, escrevem os pesquisadores.

Mycobacterium leprae especial detectado em tatus Como parte de seu estudo, os cientistas compararam o DNA da bactéria de 33 tatus do sul dos Estados Unidos com o DNA bacteriano de 50 pacientes com hanseníase. Eles foram capazes de detectar uma cepa especial, anteriormente desconhecida, do patógeno Mycobacterium leprae em 28 tatus e 25 pacientes com hanseníase. Seus resultados confirmam que os tatus podem infectar pessoas com hanseníase, disseram os pesquisadores. O significado do estudo é ainda mais claro, pois 22 pacientes nunca deixaram a América do Norte em suas vidas, o que significa que outras fontes de infecção fora dos Estados Unidos poderiam ser virtualmente descartadas. Oito dos pacientes com hanseníase também afirmaram ter contato direto com os tatus. Um dos leprosos chegou a dizer que havia caçado e comido os tatus. O mistério da lepra recorrente nos EUA parece estar resolvido. Aparentemente, os tatus ainda formam um reservatório para a bactéria da hanseníase, que provavelmente foi introduzida no continente americano com os primeiros imigrantes europeus.

A hanseníase era uma das doenças mais temidas: até o final do século 19, a hanseníase era uma das doenças infecciosas mais temidas em todo o mundo. Somente depois que o médico norueguês Gerhard Armauer Hansen descobriu a bactéria causadora da doença Mycobacterium leprae, em 1873, foi possível gradualmente progredir no tratamento. A inovação finalmente chegou na década de 1940 com o desenvolvimento da terapia com sulfonamida. O uso do antibiótico Dapson (DDS), ainda hoje importante, na terapia com hanseníase também foi introduzido nesse período. Desde a década de 1970, a hanseníase é tratada com terapias combinadas que consistem em vários antibióticos e, desde 1982, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a poliquimioterapia para tratar a doença. Embora a doença tenha sido quase erradicada na maioria dos países industrializados, ainda existem infecções ocasionais nos EUA que não são devidas a uma estadia no exterior, mas - como agora é claro - a uma transmissão dos patógenos pelos tatus. No mundo todo, no entanto, a hanseníase está longe de ser derrotada. A hanseníase continua a ocorrer hoje, especialmente nos países em desenvolvimento mais pobres e com baixos padrões de higiene. A OMS pressupõe que quase 245.000 pessoas em todo o mundo sofrerão de hanseníase em 2009. Na Alemanha, no entanto, a hanseníase não representa nenhuma ameaça específica à saúde.Em 2010, apenas dois casos foram relatados na Alemanha, nos quais os pacientes foram infectados durante uma estadia na Ásia. fp)

Imagem: Dr. Karl Herrmann / pixelio.de

Informação do autor e fonte



Vídeo: Hanseníase - Causas, Sintomas e Tratamentos


Comentários:

  1. Aksel

    É difícil curar - fácil no paraíso.

  2. Zulkile

    Ótimo, essa é uma opinião muito valiosa.

  3. Tukora

    Este anúncio engraçado é notável

  4. Gais

    Bem, mais ou menos...

  5. Jervis

    a pergunta curiosa



Escreve uma mensagem


Artigo Anterior

China: Clínicas negam pacientes com AIDS

Próximo Artigo

Ajuda com osteoartrite através da bioquímica